ESTUDO DO LODO DE ETA CONTENDO ALUMÍNIO PARA A ADSORÇÃO DE FÓSFORO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PREVIAMENTE TRATADOS EM WETLANDS CONSTRUÍDOS

Magali Teresinha Ritter, Maria Eliza Nagel Hassemer

Resumen


O presente estudo teve como objetivo avaliar a aplicação de duas diferentes granulometrias de lodo provenientes de Estação de Tratamento de Água (ETA) rico em aluminio (lodo fino com partículas de diâmetro inferior a 0.1mm e lodo grosso com partículas de diâmetro entre 0.1 e 0.6mm), como material adsorvente na remoção de fosfatos de efluentes previamente tratados em wetlands construídos. Para isso, foram realizados ensaios cinéticos e isotérmicos em batelada e colunas de leito fixo. Os ensaios cinéticos, realizados com dosagem de adsorvente de 20 g.L-1, e concentração de adsorvato de 12.5 mgPO43-L-1, resultaram em uma remoção superior para o lodo de menor granulometria, atingindo 90% de eficiência e uma concentração de equilíbrio de 1.2 mgPO43-L-1. Os ensaios isotérmicos, conduzidos com diferentes massas de adsorvente (0.5; 0.75; 1.0; 1.5; 2.0 e 3.0 g) alcançaram as capacidades máximas de adsorção de 1.36 e 1.33 mgPO43-g-1 para o lodo fino e lodo grosso, respectivamente. As colunas de leito fixo apresentaram elevadas capacidades de adsorção, para os diferentes fluxos 5.0 e 2.0 mL.min-1, alcançando entre 0.76-3.65 mgPO43-g-1 para o lodo grosso e 8.73-12.49 mgPO43-g-1, para o lodo mais fino. Os resultados desse estudo evidenciam que as partículas de menor granulometria resultaram em um melhor processo de adsorção, levando a uma remoção mais rápida do fósforo dissolvido, e também a uma menor concentração de equilíbrio. Desse modo, o uso do lodo não apenas provê uma solução tecnológica de baixo custo para o tratamento de efluentes, mas também uma opção de gestão efetiva desse resíduo nas estações de tratamento de água.


Palabras clave


adsorção; lodo de alúmen; wetlands construídos; remoção de fósforo; tratamento de efluentes

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22201/iingen.0718378xe.2021.14.2.75359